Carência do Além
Marise Ribeiro
 



          É aniversário da avó, já falecida.  Mãe, tia e irmãs também se preparam para ir ao cemitério levar flores e saudade àquela que havia sido para ela mais do que avó, mas quem lhe ensinara a ler, apesar dos parcos sete anos de convivência.

          Ela, ansiosa, vestido branco engomado, laços na cintura e no cabelo, babados avolumando o corpinho magro e franzino, teria seu primeiro contato com um campo-santo.

          Tudo preparado com capricho pela mãe, que sempre confeccionava as roupas das quatro filhas.  Uma escadinha de idades. Trabalho quadruplicado para vestir e educar.  A irmã, tia das meninas, ajudava-a na tarefa de cuidar.  Solteirona, morava com a irmã, o cunhado e as sobrinhas.  Trabalhava fora, mas se fazia de segunda mãe, quando era preciso.

          Por adorar a avó, a menina pede para levar as flores, um buquê de rosas brancas, comprado em frente ao cemitério.  Assim que transpõe o portão de entrada, a menina adormece a saudade, acorda a curiosidade e com os olhinhos vidrados nas lápides, segue lendo nomes e epitáfios de cada uma.

          O cortejo da família se distanciando, ela se distraindo com anjos, santos, crucifixos...  Suntuosidades de cimento e mármore.  De repente, o chão desaparece dos seus pés.  Tudo escurece.  A menina grita pela mãe.  Nada.  Repete o grito, com mais desespero na vogal.  Silêncio.  Por que sua mãe não a ouve?  E sua tia, suas irmãs?...  Ela começa a se lembrar das histórias de fantasmas e mortos-vivos, que as crianças apavoravam umas as outras, e suas perninhas passam a tremer.  Vivendo o horror do momento percebe que está num buraco escavado na terra.  Uma cova.  E com caixão.  “Tinha sido enterrada por sua família”, julga aterrorizada.  Olha pra cima e vê o céu.  Esperança!

          Consegue escalar a parede de terra e barro, com a sensação de que a qualquer instante uma mão lhe puxaria a perna.  Corre até alcançar a proteção familiar, coração quase saindo pela boca, e não tira mais os olhos do chão, nem das saias.

          Túmulo da avó localizado, a mãe pede-lhe as flores.  Havia deixado naquele buraco a brancura da roupa e das rosas.  A mãe decide voltar, precisa resgatar a homenagem à matriarca, mas a tia, voz firme, discorda: - Aquele defunto está carente de flores, deixe-as lá!

          Sem compreender nada de carências póstumas e imaginando que sua avó viesse, à noite, lhe cobrar também as flores, a menina oferta-lhe suas pétalas mais sentidas: lágrimas de culpa e medo.

 


10/11/10

 

 

 

 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI


 

 

 Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio de 2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Novembro/2010

Crédito
Midi Andre Gagnon - Evelyne