Desejos Sedosos
Victor Jerónimo



Teu corpo escorregou sedoso
na minha mão tremula
plena de paixão e desejo
em seda excitante e macia.

Na outra mão as carnes
dos desejos profundos
palpitaram no meu ser
transportando-me aos mundos

dos desejos inconstantes
profundos das satisfações
em cavalgadas inconscientes.

Desejos plenos de emoções
onde tudo para por instantes
tudo, menos os nossos corações.

Recife, 15/Ago/2007







Forja do Amor
Victor Jerónimo



O nosso sonho não nasceu do mito
Nasceu da certeza do bem do coração
Da bondade, confiança e amor encontrado
Numa linda e bela centelha da ilusão.

Foram horas e dias, foram anos, com calma
A consolidar a forja do fogo com muito calor
Lentamente construindo a força do magma
Que nos fortificou na temperança e valor do amor.

Vencemos grandes guerras forjadas por outros
Recolhemos os ciúmes de quem nos enganou
E com eles construímos a nossa armadura.

Sabemos que as armaduras não são impenetráveis
Mas temos em comum a confiança, verdade e amor.
Por isso saberemos resistir a quem nos inveja.

Recife, 03/Jun/2007







Mulher
Victor Jerónimo



Mulher de corpo valente na paz
Que sabe o que quer a todas as horas.
Tens a coragem de mil guerreiras.
Porém nunca demonstra o que faz.

É grande mártir de corpo presente
Suporta as sevícias do seu amado
Porém ela tem sempre em mente
Que ele deve ser é adorado.

Mulher em corpo de alma inteira
És a mãe és a amante és a mulher
És sempre a alegre companheira
E nunca reconhecem teu querer.

Mulher corajosa e bem valente
Cuidado com o dia que te dão
Pois no outro dia te tiram a semente.

Tu és a vida és a sublimação
Não tens que conquistar os direitos
És o ser supremo, de qualquer nação.

Recife, 06/03/2004







Silêncios
Victor Jerónimo



É no silêncio das noites escuras
que sinto teu sangue a fervilhar,
Tremendo sequioso nas alvuras
borbulhando sem querer terminar.

É no silêncio do teu lindo regaço
que me procuro nas horas mortas,
Então amordaças o meu coração
e sorves em silêncio minhas mágoas.

E o teu sangue corre sem parar
fazendo bater esse coração louco,
Em longas horas sem fim, a cavalgar
na noite escura de um silêncio brando.







Quero
Victor Jerónimo



És o meu desejo.
Quero abraçar-te,
quero beijar-te,
repousar no teu peito
e sentir...
No roçar de ventres,
no toque das mãos,
no sabor de um beijo,
no silêncio de nós dois,
o olhar falar por si...

És o meu desejo.
Quero noites dos sonhos teus,
quero dias,
quero tardes,
pôr do sol,
céu estrelado,
banho de luar,
e toda uma vida para te amar!

Portugal, 18/03/03







Mas Sei
Victor Jerónimo



Não sei se a saudade aumenta na separação,
Não sei se o desejo implica o ter-te com amor,
Não sei se esta vontade de te ter é uma ilusão,
Mas sei que a cada dia é maior o desejar e querer.

O viver por viver deixou de ter sentido em mim
Pois me acalentas e amparas nas horas de desilusão,
Fruto de um amor, um grande e feliz amor sem fim
Pela nova vida que trouxeste com carinho a este coração.

Agora olho-te, olhos nos olhos e vejo a tua alma
O fundo do teu ser pulsa e vibra como num encanto,
E sinto sem saber porque te amo tanto... tanto!

E juntos caminhamos assim, por estradas e vielas
Vencendo os escolhos e desviando-nos dos perigos
Juntos caminharemos assim até ao fim do dia, dos dias.

27/12/2005



 

 

 

 

 

 

  Anterior    

  Próxima   

 

 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI


 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio/2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Maio/2006
e reformatada em Novembro/2013

Crédito
Midi Lisboa Antiga