Às vezes, só às vezes...
Tonho França



Às vezes, só às vezes
Nos porões, nas alcovas
Mais internas,
Ou nos sótãos que não abro.
Nas primaveras
Nas louçarias porcelanizadas
Em azuis decorados por tempos
Esquecidos passados,
Às vezes, só às vezes
Nas estantes onde repousam os livros
A tristeza emerge tão abrupta e voraz
Que minhas defesas, dissolutas
Desabam aos versos, vencidas
Pelas lágrimas absolutas, remidas
Imagens do que já foi a vida







Nossa música...
Tonho França



A melodia que o piano insiste
Dança no branco das paredes
Passeia pelas fotos ainda guardadas
Acende meus incensos
Espalha teu cheiro pela sala
Entre revistas, souvenir,
Faz sorrir o vestido azul
Da bailarina de porcelana
Que dormia sobre a caixa de música.
A melodia que o piano insiste
Ecoam em meus olhos, lágrimas claras
Acordes íntimos de nós,
Acordes de nós
Acordes
Sós.







Amores
Tonho França



Amores ficam na retina, nas redes vazias,
entre primaveras tardias, nos poemas que cantam
estrelas arredias pousando em mares ternos.
Amores ficam, amores eternos,
nas gavetas trancadas das lembranças eternizadas,
nos outonos tantos de ipês amarelos
amores ficam, amores eternos,
nas praças com nome de Marias ou Helenas,
nas igrejas, nos campanários,
na saudade que dispensa calendário
amores dançam nos casacos antigos invernos
melodias que ardem nas brasas quietas da lareira,
no vinho que embriaga o cálice nas sextas-feiras
nas horas em que anos dilacero, sentimentos imutáveis
amores ficam, amores eternos,
ainda que inalcançáveis
amores serão sempre amáveis...







Eu, em Mim...
Tonho França



Há flores nos olhos das mulheres
Que não amei
Há ruídos, passos perdidos, nos caminhos
Que não andei...

Há contas, entre os dedos, dos terços
Que ainda não rezei
Há absolvições em culpas
Que ainda não perdoei...

Há traços, em descompassos, nos versos
Que ainda não terminei
Há rimas, famintas, engasgadas
No poeta que nunca serei.

Há dias inteiros, atrás das cortinas
Que jamais abrirei.
E assim, em silêncio, me esqueço e brindo a vida...
Que jamais terei.







Paixão
Tonho França



Hoje, ao ver as lágrimas caindo
Por favor, deixe-me só.
Preciso de cada uma delas,
Em toda sua intensidade.
Deixe-me entregue a mim
E aos meus juízes,
Eu preciso do silêncio e
De tudo que vai em meu pensamento.
Não se aflija, é coisa de momento
Passa ao nascer do dia,
Acontece com coração de poeta,
Apaixonar-se pela poesia.







Medo de mim, amanhã...
Tonho França



Não que eu tema, mas os semáforos estão fechados
Os muros já foram erguidos, já recolheram as pontes.
A fantasia há muito não mora mais
nos olhos dos homens
Sonhar? Já não me atreveria.
Não que eu tema, o temor também se fez inútil e
a vida prossegue apesar de tudo, e sem condolências
as preces todas parecem presas por reticências
e os dias nascem por pura insistência,
os anjos dormem no azul longínquo da inocência
a cobrar-nos o despertar da consciência
E por ser ausente, torno-me cúmplice,
ainda sem intuito
Não posso dizer o que sinto,
E nem ao menos sinto muito.



 

 

 

 

 

  Anterior    

  Próxima   

 

 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI


 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio/2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Maio/2006
e reformatada em Novembro/2013

Crédito
Midi Andre Gagnon - The Wave of The Wood