Pequenos Gestos... Grandes Sentimentos
Mercêdes Pordeus



Um desejo de bom dia
Rompe o silêncio absoluto
Dá ao semelhante a garantia
De desarmar o interno luto.

Um abraço... Reedita uma história
Transforma uma vida simplória
Dela varre a parte vivida inglória
Para que na solidariedade alcance vitória.

Um toque... Rompe as barreiras
Abre entre os povos as fronteiras
Deixa a paz reinar na vida inteira
Transformando-a em boa sementeira.

Um gesto de carinho... Um afago
Tira do semelhante o gosto amargo
Que a vida possa ter-lhe imposto
Ao seu longo através do desgosto.

Um gesto de bondade... E ternura
Apaga de uma vida um triste cenário
Acorda o irmão com brandura
E torna o mundo mais igualitário.

Pequenos gestos que nos aproximam
Minimizam da vida o sofrimento
Afastam atitudes que nos aniquilam
E desabrocham grandes sentimentos.

Recife (PE)
Em 02/10/2007








As Dores da Natureza
Mercêdes Pordeus



Eu queria ter-te em meus braços
Assim te acarinhar em meu regaço
E te acercar com o meu abraço
Dar-te o carinho negado ao teu espaço
E da tua luta indefesa aliviar o cansaço.

Levantar feliz a tua bandeira
Empunhá-la firme e altaneira
De ti servir como uma sementeira
Ver-te bela e sempre lisonjeira
Sendo assim a estação primeira.

Sinto tanto ver-te tão triste assim!
Do teu canteiro cortaram o jasmim
Entristeceste-te por ti e por mim
Ah! Minha querida irmã natureza!
De ti, estão roubando a beleza.

Perguntas-me por te denominar irmã?
Minha querida, bela e ingênua natureza
Esqueceste? Somos filhas do mesmo criador!
E é por ser tua irmã que sinto a tua dor
Porque perdeste o brilho pelo devastador.

Amazônia! Amazônia! Devastada...
Hoje piso no teu solo desesperada
Por te ver tão triste e desamparada
Da bainha tiram a grande e vil espada
Que te feriu ao longo de tua jornada.

Boa Vista/RR
Mar/2007








As Dores da Escravidão
Mercêdes Pordeus



Eles vieram de tão longe, traziam consigo o medo,
As incertezas eram suas companheiras desde cedo.
Traziam o sofrimento antecipado dos seus receios
E as dores dos açoites, que já sentiam nos navios.

Mal chegavam, já eram analisados como animais,
Vendidos como meras mercadorias, artigos banais.
Trabalhavam duro e sofriam o peso da escravidão,
A cada chicotada e a cada açoite, a dor da solidão.

A cada ano as esperanças da liberdade se dissipavam,
Os seus filhos nasciam e naquele regime continuavam.
Enquanto os mais velhos as dores do flagelo sofriam,
Os ecos da noite nos traziam os sons dos que gemiam.

Ao longe era refletida desses ecos a repercussão
E o reflexo do som trazia a forte dor da servidão.
Pelo negro, no nosso país, através da escravidão
De terras longínquas a saudade do seu natal torrão.

Mais navios negreiros que aportavam e a história se repetia
Movimentos no Brasil a escravidão, aos poucos, se extinguia.
Castro Alves o poeta abolicionista que os seus ideais escrevia,
Vozes da África, Navio Negreiro, Os Escravos, primeira poesia.

O poeta abolicionista marcou época com sua primeira poesia
Mais um nordestino que com força e garra, nascido na Bahia,
Seus estudos de Direito na Faculdade de Recife realizaria
E o seu grande apogeu no Rio de Janeiro, ele consolidaria.

Vinte anos se passaram após a morte do grande Poeta
Para se realizar seu almejado sonho, seu grito de alerta,
Decretada extinta a escravidão e o grande Brasil desperta
Na Lei Áurea está implícita a nobreza da alma do poeta.







Nudez da Alma
Mercêdes Pordeus



Hoje eu quis me desnudar,
Não uma nudez corpórea,
Mas a nudez da alma
Dos sentimentos a libertar.

Quis me libertar dos preceitos
E de todos os preconceitos,
Das ilusões e sonhos desfeitos,
Tornar a minha vida perfeita.

Eu me vi diante de uma fonte
Vestida de branco, nos movimentos, leveza,
Soltando os cabelos e nela submergindo
Despi-me e me banhei suavemente.

Banhei-me naquela água límpida e transparente,
Naquela transparência deixei meus lamentos,
Revivi meus sonhos, os mais lindos sonhos
Liberei afinal todos os meus tormentos.

E foi nesse contexto que deixei os dissabores,
Criei meu quadro, realidade dos sonhos,
E foi emergindo daquela fonte ladeada de flores
Que compreendi da vida os amores.

Neste ato de imersão e emersão
Compreendi, ser hoje o amor presente
Desprovido, despojando-me das ilusões
Dei-me mais uma chance, neste amor presente.

Vivendo este amor sem conceitos pré-estabelecidos
Fluindo naturalmente o sonho da felicidade
Essa sim, hoje é minha doce realidade
Por Deus, realização dos sonhos concebidos.

Recife/Brasil







Divagações
Mercêdes Pordeus



Contemplei o céu...
Divaguei nas nuvens
Acompanhei a lua e as estrelas
E me encontrei pisando em terra firme.

Contemplei o oceano...
Mais uma vez divaguei, no horizonte
E me vi flutuando sobre intrépidas ondas
Outra vez me encontro na realidade... terra firme.

Contemplei o sol...
Seus belos raios brilhantes e dourados
Invadiram minha privacidade, astro real
Que me ofereceu sua força e luz como legado.

Contemplei a natureza...
Percorri com o olhar o belo arvoredo
Os beija-flores visitando a minha varanda
Num leve bailar, pensei serem brinquedos.

Contemplei o céu...
Outra vez divaguei e me senti um anjo
Deslizando através das nuvens, qual tapete de algodão
Encontrei Deus, e Ele me disse: sossega, és a minha criação.

Recife, 05.02.2005







Dizer Amo-Te
Mercêdes Pordeus



Dizer amo-te, é te aceitar como pessoa
Dizer amo-te, é te compreender
É compartilhar de tua vida como irmão
É acima de tudo uma tomada de posição

Atitude de renúncia e desapego material
Seguir ao lado daquele que sofre
É doação de si mesmo para melhorar o outro
Suprir suas necessidades quando preciso

É acordar pela manhã de bem com a vida
Bendizer a natureza, o balanço da folha ao vento
O cantar dos pássaros, curtir o colorido da borboleta
Observar o casulo que se desenvolve.

Dizer amo-te, é estender a mão ao próximo
E com ele caminhar pela estrada da vida
Em silêncio quando ele assim o quiser
Proferindo palavras atendendo seu apelo.

Dizer amo-te, é uma atitude necessária
Para melhorar nossa vida e a do outro
Contribuindo para o crescimento mútuo.
E nunca se arrepender de ter dito amo-te.

22/01/2004




 

 

 

 

 

  Anterior    

  Próxima   

 

 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI


 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio/2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Maio/2006
e reformatada em Novembro/2013

Crédito
Midi Canteiros