No Silêncio de Uma Borboleta...
Maria Mercedes Paiva
(Eme Paiva)




... E Deus compôs essa poesia cálida:
Fez o seu verso se vestir de seda
adormecer enquanto Ele cantava
lindo acalanto de alento verde...
Dormia ninfa e acordou crisálida.

Numa estrofe de acalentamento,
um doce afago ao soprar-lhe asas,
e as pintou com todas as matizes,
tons, subtons das cores mais básicas,
todas as nuances de um arco-íris!

E terminada do poema a etapa,
suavemente retirou-lhe a capa!

Veio à luz, o verso Criador,
que ressurgiu embelezando a terra
com seus desenhos, voo multicor,
trazem a poesia, que ele encerra!

Verso rainha de sua espécie,
supera a todos a real falena...
Vaga encantos, com suavidade...
E no silêncio de uma borboleta
o Criador doou ao Ser poeta
toda magia, deste seu poema.

2004







Porão
Maria Mercedes Paiva
(Eme Paiva)




Vai no vai da valsa, a vida pela avenida...
Nada é predeterminado, nem pré-definido
Você que fica aí definitivo,
ofendido!... Defendido...
Se sentindo cheio de razão!
Nós já discutimos isso!...
Você já sabia que era assim!
- claro que sim!
Então, não vem com esse papo
pra cima de mim!

A gente se vira como pode e
não se pode dar ao luxo de um talvez...
De um quem sabe... de um depois...
Por aí nada se escolhe:
pode ser padre, podre de rico,
pobre... se pode... pode...
Você sabe como as coisas são!

Onde fica, então, o amor?
Pra fora da portão!
Isso não importa. Você sabe que não!
Não se mistura trabalho com prazer!
Tenho que lutar muito pra sobreviver...
Cumpro a minha missão!...
Tira a mão!
Tenho que subir!
Claro que tenho que ir!
Quer deixar fechado esse raio de botão?!







Passaredo
Maria Mercedes Paiva
(Eme Paiva)




Hoje, eu diria, não que o sol raiou,
mas que cor-de-rosou nas nuvens diáfanas.
E os pássaros
- os que não ficaram nos ninhos, pipiando -,
saíram em bando e passarinhavam alegres, voando
em contraste com todo aquele cor-de-rosamento...
Iam... voltavam
vão... vinho...
voo circular...

Mas muito!...
Muito mais maciozinho,
do que eu possa falar!

Passaredo!
Que eu faria com o meu carinho
se não tivesse sua ternura
para me ameigar?

26-01-07
5.35 h








Primavera, Nova Era...
Maria Mercedes Paiva
(Eme Paiva)




Deixa que chegue a brisa amena,
acordando os vegetais, com serestas...
Se espreguicem em novos rebentos...
de cantos e flores, ativas, sem pressa,
lancem sorrisos ao vento...
Deixa que voejem borboletas, abelhas, vespas...
que de pólen e mel, profetizam a promessa
entre ondas de verde, que ao vento, encrespa...
Deixa esses sons de carinhos,
que alados cantores, amantes, arquitetam
conforto de calor aos ovos nos ninhos...
Deixa vir, a brisa mensageira de longas vestes,
soprando beneplácitos verdes pelos caminhos...
com presságios de tempos fugazes:
"Despertem formas, cores, luzes e flores...
desabrochem do verde as suas benesses!"
"Despertem os sons do zanzar, zirzir, zoar, zunir...
sons de asas e veludos nos peitos cantores!..."
"Despertem a saudar a nova era!
Porque é chegada a elegante Primavera!"







Confissão Implícita
Maria Mercedes Paiva
(Eme Paiva)




Amar é abrigar no peito
um sentimento difícil de descrever,
posto que, quanto mais intenso,
mais se quer dizê-lo a quem se ama.
Isso feito, logo se percebe,
que muito dele, deixou-se de dizer!

Se se ama em segredo? Eu duvido!
A quem observa e analisa,
o ser que ama, pelas expressões...
pelos gestos...
pelas expansões de sua alma:
o amor emana!

Pelos olhos de quem ama
lampejos fulguram no espelho do olhar,
que é impossível àquela criatura,
tais fagulhas disfarçar!

Fio invisível, que liga os corações
em sensível sintonia,
que chegam a adivinhar sensações...
a entender e trocar emoções,
nos segredos de telepatia!

Se não verbalizado,
o amor é confessado,
por essa radiante via!

O amor se manifesta em candura,
de maneira simples e inspirada
à criatura!...
É dom sofisticado!...
É dom mesmo sagrado!...
Por seu simples existir,
é confessado,
num coração em festa de ternura!...







Vidraça
Maria Mercedes Paiva
(Eme Paiva)




Há um vento soprando
janela adentro
da memória...

Há manhãs frias e claras
de intenso sol
projetando névoas
no espelho da recordação...

Há uma cortina que balança
suspensa em nostalgia.

O vento da lembrança,
agita, dança e passa...

Há reflexos de jardim,
no espelho da vidraça,
luz e sombra
em movimento ligeiro...

...Num átimo,
rajadas de temporal
no cenário da realidade...
Relâmpago, que a cena invade!
Quebra vidro,
agita as folhas... a ventania bate,
fecha e abre a janela...

O vento levou consigo
aquele tempo...

Onde buscá-lo?
Qual lado da vidraça?
O que se abre para a realidade que passa?
O que se abre para a saudade?

Há uma janela de encantos
de dois lados:
um se abre pra vida
no jardim...
o outro se fecha na saudade!




Envie suas impressões para Maria Mercedes Paiva:

emempaivasp@uol.com.br

 

 

 

 

 

 

  Anterior    

  Próxima   

 

 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI


 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio/2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Maio/2006
e reformatada em Novembro/2013

Créditos
Midi Ernesto Cortazar - Magic