Vingativa

Marise Ribeiro



Minha alma propaga a dor pelo vento,
repousa nas folhas secas seu lamento,
mantém corações em suplícios,
chora árida, sem gotas de artifícios.

Perscruta no infinito, nos abismos
palavras que falem sem cor,
é única, não usa analogismos,
grita na cara do mundo o desamor.

Minha alma é assim... implicante,
é aquela alma de poeta:
a que não dói o bastante,
até cravar a dor quando tudo se aquieta.

É uma alma sádica... vingativa,
rejeita poesias de felicidade,
impõe que eu me coloque em carne viva,
para, num último golpe, entrar com a saudade.


08/02/07







 



 

 



 


 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI



 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
 Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio de 2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Fevereiro de 2007
e reformatada em Julho de 2013.

Crédito
Midi Nelson Freire