Nua e Crua

Marise Ribeiro

 

Em desespero, encontro-me descoberta
sem o véu colorido da poesia... estou nua.
Assim como o céu em noite encoberta,
sem estrelas e sem lua.

Quero louvar corações enamorados,
mas só ouço gritos desesperados...
Anseio rimar os sons adocicados,
mas só ecoam ruídos desafinados.

Venha, poeta! Venha... me possua!
Amadureça essa ideia crua,
busque no infinito da substância,
uma luz à minha ignorância.

Como pássaro ferido no húmus da floresta,
esperando o ocaso que lhe resta,
assim estou a albergar o receio
de que o abutre me devore a poesia do seio.

Poeta, fique ao redor, à espreita!
Quando uma fresta se abrir,
deite na minha alma desfeita,
retome o véu e venha me cobrir.


15/08/05





 



 

 



 


 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI



 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
 Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio de 2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Novembro de 2006
e reformatada em Julho de 2013.

Créditos
Element Jet
Midi Temp Show