Fortaleza

Marise Ribeiro
 


Sem que eu percebesse, veio pra ficar...
Não pediu licença nem se fez anunciar...
No porão, as emoções exilou,
Cobriu-as com os panos do desgosto,
Defendeu o território a seu gosto:
Janelas cerrou e lágrimas destravou...

Um silêncio doído se fez presente...
Postou-se no espelho bem à minha frente...
Fica ali, cara a cara comigo,
E, mesmo desviando meu olhar,
Mostra-me o que não há a ocultar:
A solidão invadiu o meu abrigo...

Nesta fortaleza da dor vivemos nós duas
Sem perceber os dias e as luas,
Passando como nuvens apressadas...
Assim como a bela adormecida,
Na torre dos teares... esquecida,
Durmo as horas por ela envenenadas.

Meu corpo agora é sua morada
E, antes que um novo amor o invada,
Defesas de uma cidadela ali estabeleceu:
Cercou as boas lembranças com arame,
Para que eu não as conclame
A tirarem os meus dias deste breu...

Trouxe fantasmas do inferno,
Soprou o ar sombrio do inverno
E o fosso da tristeza encheu de aflição...
Será que jamais virá um cavaleiro,
Empunhando a espada do amor certeiro,
Para cravar no coração deste dragão?


03/04/08






 



 

 



 


 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI



 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
 Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio de 2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Junho de 2008
e reformatada em Julho de 2013.

Crédito
Midi Aeoliah - Always