Filho de Ninguém

Marise Ribeiro



Solidão no esmolar...
Ausência de mãos a te afagar...
Fome do seio materno...
Pessoas te oferecendo um olhar de inverno.

Chão de pedra sujo e duro...
Nem sonhas com o futuro...
Não o tens, não há esperança...
Não há quem se importe com a criança.

Para muitos já és um homem,
já roubas, já matas, já te vicias...
Desamparado, crias medo de lobisomem,
o lado menino ainda fantasias.

A sociedade te rejeita,
a ela tu não convéns...
Estende teu trapo, teu abandono deita,
és invisível, és filho de ninguém!


13/04/06







 



 

 



 


 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI



 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
 Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio de 2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Julho de 2006
e reformatada em Julho de 2013.