Encantador de Serpentes

Marise Ribeiro

Já tentei lacrar meu peito,
mas quando menos suspeito,
ele usa artimanhas irregulares,
consegue a chave enfim
e volta a gritar em mim...

Mudei seu nome, seu significado,
mas caio no pecado
de me iludir novamente;
e ele, sempre latente,
aflora ainda mais resistente...

Presenteei-o com maldades,
joguei-o em leviandades,
cultivei doenças, indiferenças,
ausência de crenças...
... inutilmente!

Criei venenosas serpentes,
para cuspir palavras impolutas...
Ele bravamente luta,
transpõe barreiras sorrateiras,
a tudo resiste... é astuto!

Deixar o coração de luto,
também não deu certo:
o mais que pôde o coração sangrou,
mas ele outra vez entrou
e o cicatrizou.

Apaguei minhas velas,
ele se acostumou ao escuro...
Tornei-o impuro, cerquei-me de procelas,
ele navegou e atravessou todas elas...

Destruí meu corpo,
entreguei-me à bebida,
caí na vida, cheguei à sarjeta...
Piedosamente, ele deu-me a mão,
entoou uma canção,
arrancou-me desta veste preta...
... e, mais uma vez, fraquejei de emoção!

Ah, o amor!... Que poder é este que ele tem
de me chegar nas horas que a ele convém,
ainda que eu queira seguir na solidão?...


24/04/07





 



 

 



 


 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI



 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
 Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio de 2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Maio de 2007
e reformatada em Julho de 2013.

Crédito
Midi Enrique Chia - Boleros