Em Súplicas

Marise Ribeiro



Peito apertado, nó na garganta,
angústia que o coração não espanta,
solidão que divide o meu convívio...
Desviem suas garras de mim
e deixem o sono me trazer alívio!

Lágrimas que traçam trilhas
nas faces que o tempo encarquilha,
dor estampada em sofrimento...
Desanuviem suas nuvens escuras
e tragam sorrisos como lenimento!

Descrença que me acompanha
enredando-me numa teia de aranha,
covardia que me tem como detento...
Desatem as amarras da amargura
e semeiem de fé o meu momento!

Infelicidade que o meu ser espreme,
deixando-me como barco sem leme,
desamor que a minha alma detém...
Fujam para o infinito do inferno
e me presenteiem com o amor de alguém!

Só assim, com o sono a me trazer alívio,
depois de ganhar o amor de alguém,
terei em meu rosto de volta o sorriso
e a fé a comandar meu juízo também.


13/07/05

 







 



 

 



 


 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI



 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
 Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio de 2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Julho de 2006
e reformatada em Julho de2013.

Crédito
Midi Richard Clayderman - Tema 3