Em Carne Viva

Marise Ribeiro
 


Dói em mim tua vulgaridade
quando descarnas ao vento, sem piedade,
meu íntimo.
Nem um bálsamo de unguento
para aliviar a ferida aberta
da minha alma descoberta
matará a sujeira do limo.

Posso vestir-me em vários panos
que sempre estarei nua.
Causaste ao meu orgulho sérios danos
ao lançar meus segredos na sarjeta da rua.

Águas sujas em línguas de outrem,
correndo pela vala afora,
infectaram-me.
Não me importa se um outro me vem...
Posso até esconder a ferida agora,
mas a vergonha já se alastrou
e do meu corpo se fez senhora.


27/02/06





 



 

 



 


 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI



 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
 Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio de 2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Abril de 2007
e reformatada em Julho de 2013.

Crédito
Midi Anema E Cuore