Dormência

Marise Ribeiro
 


Ah, como eu queria
Que aquela rede falasse
E todas as loucuras contasse
Daquelas tardes de outono!...
Um amor sem censuras,
Com sabores de aventuras,
Sem hora, sem medo, sem dono...

Depois ela cadenciava o sono
De nossos corpos em total abandono...

Ah, como eu queria
Que aquela rede falasse
E quem sabe de novo avivasse
Os lúdicos momentos do passado!...
Tempo em que naquele recanto
O som era o sorriso do encanto
De um casal enamorado...

Símbolo do desejo não refreado,
Alcova aberta ao manto azulado...

Ah, como eu queria
Que aquela rede falasse
E para nós bem alto gritasse
Que a paixão não emudeceu ali!...
A emoção poderia ainda ressurgir...
Mas aquela rede não fala
E a nós... já não mais embala!

Hoje, num adormecido porta-retratos,
Apenas silêncios... a rede acasala!


24/09/08






 



 

 



 


 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI



 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
 Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio de 2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Novembro de 2008
e reformatada em Julho de 2013.

Créditos
Mask Narah
Midi Eduardo Lages - Cenário