Desfraldar Tardio

Marise Ribeiro



Nas águas frias da saudade, deslizo
Após serenar a tempestade...
Aceito o meu destino, e hoje diviso
Que não dei valor à felicidade.

O anoitecer é um sinistro aviso
De que rogarei pela claridade...
Lágrimas salgando o antes sorriso
Na face que brincou com a realidade.

Tive o mar, e não soube dar valor,
Invernei em água estagnada o amor,
Pensando protegê-lo do sofrimento.

Mas um barco, ao sair do remanso
E se lançar num aventureiro balanço,
Tem de saber içar velas à fúria do vento!


25/09/07




 



 

 



 


 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI



 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
 Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio de 2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Novembro de 2007
e reformatada em Julho de 2013.

Crédito
Midi Ernesto Cortazar - Night And Day