Cidade Ferida

Marise Ribeiro
 


Janelas fechadas, sombras esquivas, bocas caladas
Sorrisos enterrados, horror aflorado, ruas sitiadas
Balas perdidas, corpo estendido, noite deserta
Grades na alma da cidade que nem desperta.

Ah, saudades da minha infância em liberdade!
Brincadeiras com os meninos pobres do morro
Inocentes crianças sem complexo de desigualdade
Lembranças que na memória sem medo percorro.

Minha rua sempre em festa a transbordar alegria
Casas abertas, vizinhos falantes, beleza florida
Corta-me o coração vê-la preta e branca em fotografia
Ao compará-la com a de hoje de sangue colorida.

Famílias de luto, tragédia a cada sinal... esquina
Aquelas crianças... agora se chamam "menores"
O nosso medo... esse muito cresceu, virou sina
E tu, desesperança, a nossa alma em negro colores.

A violência corre solta nos fazendo reféns
Consumimos a covardia e não cobramos solução
Uma apenas, a que todos têm direito: educação
E nossas crianças sonhariam em ser “alguém”...

Minha cidade, ainda bela, invejada, visitada
Com profusão de turistas, pelo sol sempre invadida
Hoje, amedrontada, violentada, favelizada, mal falada
Rio de Janeiro, cidade maravilhosa... jaz esquecida.


16/04/07






 



 

 



 


 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI



 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
 Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio de 2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Agosto de 2007
e reformatada em Julho de 2013.

Crédito
Midi Yanni - Prelude