Sinfonia Triste
Anna Peralva




Caminhos que se desencontram
no furtivo desviar do olhar,
sonhos tantos se desencantam
na lágrima solta a rolar.

Pelas estradas frias da noite
estrelas vazias e caladas...
Corta o vento qual açoite
na solidão das madrugadas.

Corpo aflito se move lento
no silêncio que invade,
alma nua ao relento.

Amor em tons de ansiedade
solfejando gemidos-lamentos,
sinfonia triste da saudade.



04/10/2007

 

 

Sinfonia Triste
Marise Ribeiro




Sinfonia triste a martelar
sons cruéis e desumanos...
Vazio de harmonia no olhar,
inundado de dor em oceanos...

Calo a voz que grita em mim,
clamando pela companhia do além...
E deixo um silêncio sem fim
embalar-me num sono que não me vem.

Nada adianta e a sinfonia recomeça
na lentidão de quem não tem pressa
em supliciar um corpo enfraquecido...

É como a enervante gota da torneira,
pingando nesta alma prisioneira
até me levar a um último gemido...



09/12/07


 


 

 

 

  Anterior    

  Próxima   

 

 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI


 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio/2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Janeiro/2008
e reformatada em Outubro/2013

Créditos
Midi Edu da Gaita