Renúncia
Jorge Humberto




Que é esta renúncia que não me deixa descanso
Que é do grito que renuncio em descaso
Sou como o rio que corre manso
E vai desaguar suas águas onde não passo

Todo eu sou sentimento à flor da pele
Não tenho porque aqui estar
Tudo o que é meu de mim impele
Quem dera um dia poder cá voltar

Já nem gente sou nem me proponho a ser
O que um dia soube gritar bem alto
Tudo o que faço ou penso fazer
Está montado neste lúgubre palco

Quis ser feliz um dia e fui derrota
Quis a luz e todas as suas fragrâncias
Ah, mas porque não vens à minha porta
Pôr-me flores com a maior das elegâncias?



Portugal - 24/05/06
 

 

 

Aceitação
Marise Ribeiro




Trago-te flores com as cores de um pedido
A elegância? Deixei-a no avesso da vida
Tracei um caminho dolorido e desmedido
Teu perdão será meu teto, doce acolhida.

Vaguei em sombrias alamedas do medo
Senti o frio açoitando a solidão
Deitei-me em folhas secas do arvoredo
Que o vento acolchoava pelo chão.

Estou aqui, diante da tua porta
Aquela fragrância se evaporou na luz
Preciso entrar, nada mais importa
O peso das angústias já purguei na cruz.

Pensei em te trazer conquistas
Pelas aventuras que ousei gabar,
Mas ao voltar a ti, trouxe apenas a artista
Deixa-me em teu palco novamente atuar?



24/05/06


 


 

 

 

  Anterior    

  Próxima   

 

 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI


 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio/2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Outubro/2006
e reformatada em Outubro/2013

Créditos
Midi In The Mood For Love