Prece ao Tempo
Marise Ribeiro




Tempo que marca o rosto,
Que faz cerrar os olhos;
Tempo que não seca o desgosto
No lenço que sempre molho.

Todos dizem: "o tempo cura,
A ferida fecha, cicatriza..."
Mas a minha doída loucura,
Será que o tempo ameniza?

O que és tu, tempo,
Senão um correr de horas?
Tornas em eternidade um momento,
Quando a dor não vai embora.

Ah, tempo, lutas sempre comigo!
Por que não entendes do que preciso?
Deixa de te fazer inimigo
Para que me retorne à face o sorriso.

Estanca os minutos, para o mundo,
Põe o pulsar do coração em suspenso,
Dá-me pelo menos um segundo,
Para que eu seque meu lenço.



02/01/06

 

 

Nas Asas do Tempo
Zena Maciel




Não culpe o tempo
Nem tão pouco o vento
Que levou o tempo
Que feliz você passou.

Não ponha culpa na desculpa
Que sempre se desculpa
Dizendo que não tinha culpa
Se a felicidade acabou.

Por isso, não fique sofrendo
Vivendo a vida perdendo
Culpando o tempo e o vento
Dizendo que sua vida levou.

Levou a felicidade
Devolveu a dor da saudade
Que também é felicidade
De quem um dia amou.


 


 

 

 

  Anterior    

  Próxima   

 

 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI


 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio/2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Maio/2006
e reformatada em Outubro/2013

Créditos
Midi Ernesto Cortazar - Eternity