Meu Ser Desajeitado
Jorge Humberto




Meu ser desajeitado não tem um sorriso sequer,
Anda aos tropeços - alma lânguida - pelas ruas
Desta cidade, indo desembocar, porque quer
Não porque sou ou fui, nas esquinas mais nuas.

Viça uma flor, no jardim, pego-lhe pela mão,
Ei-la quebrada pela haste. Oh, ser gentio,
Quem te fez assim, louco e lúcido de antemão,
Caminhando na solidão, até que venha o frio?

Ah, antes ser louco! mas como ser louco aqui?
Minha vida nunca teve princípio, meio ou fim.
E meu ser desastrado, sem um gesto sequer,

Caminha errante pela vida, como qualquer
Cousa de surrealista, que não parecesse mal,
A quem como ela no seu frémito fosse igual.



03/05/07

 

 

Ajeitando a Solidão
Marise Ribeiro




Teu sorriso adormeceu distante da face
Não te interessa usá-lo como disfarce
Essa ausência de jeito é fruto da solidão
Falta-te um amor pra te pegar na mão.

Ajeita-te com os descaminhos do vento
Permite-lhe te carregar como a uma folha
Que se aquieta muda e deita seu alento
À espera que a terra seca a acolha...

Assim como em adubo a folha se tornou
Ofertando-te a flor que hoje quebras
Um amor por aí por certo te restou.

Deixa passar o frio que mora em ti
E na primavera loucamente tu celebras
Teu jardim que algum coração há de florir.



11/07/07


 


 

 

 

  Anterior    

  Próxima   

 

 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI


 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio/2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Agosto/2007
e reformatada em Outubro/2013

Créditos
Midi Chiquinha Gonzaga - Valsa