Confissão
Marise Ribeiro




Confesso que sob carícias de tortura
padeço com minha maior loucura:
estar junto de ti,
sentindo o corpo em chamas a me consumir.

Confesso que, quando me abraças,
minha alma cai em desgraça,
deixa-se dominar e perde o tino,
subjugando-se ao teu sorriso de menino.

Confesso que te quero tanto...
Esse amor virou magia, encanto;
virou até incurável doença,
se não estiver na tua presença.

Confesso que o som da tua voz,
sussurrando ao meu ouvido,
quando ficamos a sós,
desperta impiedosamente meus sentidos.

Depois desta sincera confissão,
mereço melhor sorte
do que a ameaçadora solidão
com que me acenas como pena de morte.



22/11/05

 

 

Confessussurrâncias
Luiz Poeta ( sbacem-rj ) - Luiz Gilberto de Barros
À meia noite e 21 minutos do dia 16 de julho de 2006,
sob inspiração do belíssimo poema de Marise Ribeiro,
"CONFISSÃO"





Confessa, sussurra, amada...,
Que me desejas... confessa
Ansiosa, desesperada...
Confessa... sem muita pressa.

Refreia os teus anseios,
Mas logo a seguir, não cesses,
Me puxa para os teus seios...
Eu quero que me confesses.

Confessa rindo, chorando,
Nervosa, me percorrendo,
Absoluta, reinando,
Sedenta, amando... querendo...

Confessa, mas me diz quando...
Confessa... eu sei esperar,
Enquanto vou deslizando
No brilho do teu olhar.



 


 

 

 

  Anterior    

  Próxima   

 

 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI


 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio/2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Setembro/2006
e reformatada em Outubro/2013

Créditos
Midi Eu Sei Que Vou Te Amar