Aprendemos
Ceres Marylise




Ponhamos preço
em nossos corpos,
prostituamos
nossos sentimentos:
jogar com eles,
agora virou moda.
No peito esquerdo,
guardamos pedaços
rotos de coração,
aonde sem força,
gritam as lembranças.
Desnudamo-nos
às vezes ingênuos,
às vezes insensíveis,
e aprendemos a apagar
palavras generosas
do nosso vocabulário:
somos apenas atores
de uma peça teatral,
onde atrás da tela,
tudo se acaba!

 

 

Inútil
Marise Ribeiro




Inúteis são os atores
que não aprendem
o que este palco
da existência ensina.
Inútil persistir
num corpo sem certezas,
sem princípios,
onde os erros da fraqueza
são meros artifícios
de interpretação.
Inútil fazer-se de vítima ou vilão,
quando a alma é luz
a refletir e clamar redenção.
Inútil negar ao ser
o êxtase pelo Olimpo
e o olhar em louvação
para o espetáculo
que emoção conduz...
Inútil escurecer-se à fadada sina,
se viver é o clímax da cena.
Inútil!...
O tempo não impede
o fechamento da cortina!


 


 

 

 

  Anterior    

  Próxima   

 

 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI


 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio/2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página inserida em Março/2010
e reformatada em Outubro/2013

Créditos
Midi Susan Boyle - Wild Horses