Palavras
Cecília Meireles



Espada entre flores,
rochedo nas águas,
assim firmes, duras,
entre as coisas fluidas,
fiquem as palavras,
as vossas palavras.

Pois se por acaso
dentro dos sepulcros
acordassem as almas
e em sonhos confusos
suspirassem rumos
de histórias passadas
e houvesse um tumulto
de ânsias e de lágrimas,

- lembrassem as lágrimas
caídas no mundo
nas noites amargas
cercadas dos muros
das vossas palavras.
Todas as palavras.

Nos espelhos puros
que a memória guarda,
fique o rosto surdo,
a música brava
do humano discurso.
De qualquer discurso.

Só de morte exata
sonharão os justos,
saudosos de nada,
isentos de tudo,
pascendo auras claras,
livres e absolutos,
nos campos de prata
dos túmulos fundos.

No meio das águas,
das pedras, das nuvens,
verão as palavras:
estrelas de chumbo,
rochedos de chumbo.
A cegueira da alma.
O peso do mundo.

Adeus, velhas falas
e antigos assuntos

 


 

Ciranda "Palavras"

Poetas Participantes

 

  1 – Marise Ribeiro
  2 – Maria Thereza Neves
  3 – Jorge Humberto
  4 – Thais S. Francisco “beija-flor”
  5 – Carvalho Branco
  6 – Eliane Ferreira de Cerqueira Lima
  7 – Margaret Pelicano
  8 – Eda Carneiro da Rocha
  9 – Naidaterra
10 – Lúcia Trigueiro
11 – Jorge Linhaça
12 – Carmo Vasconcelos
13 – Tere Penhabe

14 - Sueli do Espírito Santo
15 – Soni@ Pallone
 

16 – Zena Maciel
17 – Anna Peralva
18 – Eugénio de Sá
19 – Sandra Ravanini
20 – Maria Mercedes Paiva (Eme Paiva)
21 – Grace Spiller
22 – Anna Muller
23 – Sandra Lúcia Ceccon Perazzo
24 – Isadora
25 – Tonho França
26 – Ana Maria Brasiliense (Tulipa Vermelha)
27 – Alberto Peyrano
28 – Cristina Pilan Oliveira

29 - Marise Ribeiro


 

1 - Minhas Palavras
Marise Ribeiro


Onde foram parar as palavras
que sangraram do meu coração?
Não as quero num frio e sujo chão,
muito menos amareladas numa gaveta...
Elas nasceram da carência da alma,
hoje são alimentos à minha sobrevivência,
meu pão, meu norte, minha muleta...
Pinto-as, bordo-as, grito-as, cuspo-as...
Faço delas o que quero... São minhas!
Podem ser novas, repetitivas feito ladainhas,
pesadas, cortantes, maçantes,
suaves, amáveis, instáveis...
Não importa!
Sonho-as lidas, sentidas
e por este mundo repetidas...
Mesmo que sejam para os críticos
lerem-nas com antipatias,
nada disso importa,
se para mim elas soam como poesias!

22/01/07 




2 - Palavras em Movimentos
Maria Thereza Neves


momentos em movimentos
quando as palavras se vestem de mil cores
sobem aos palcos ou tribunas
espalham folhas ao vento
gritam e choram
silenciam ou sonham fantasias

das letras que dançam
no ritmo certo
sem errar passos
se abraçam expressando emoções
rasgando espaços, unindo traços
numa interrogação ou exclamação
num jorro livre
correndo, tocando, trocando mundos

é quando o poeta encontra seu eixo
às mãos o tom da voz própria
sussurra com as estrelas e a lua
a vida vira do avesso
vira magia
as palavras com arte cria
com sabor e sons de poesia!




3 – Assim as Palavras Livres
Jorge Humberto


As palavras queimadas
(Na fornalha do frenesim);

As palavras deitadas
(Ao engano
Do prometido jardim);

As palavras atraiçoadas,
O Cravo feito Jasmim
(Na conveniência das espadas);

As palavras...
As palavras...

As palavras,
Inda hão-de ser levantadas
E livres no fim.




4 - Palavras
Thais S. Francisco
“beija-flor”


Palavras de Amor
Jogo-as ao vento
Não as acolhe em teu coração
Quando confesso te amar
pois a distância está a nos separar...

Palavras vindas da alma
Trazendo minha essência em poesia
querendo encantar teus sentidos
suplicando teus carinhos...

Palavras que tentam
essa distância findar
Palavras, que das tuas, esperam
o entrelace dos amores queridos
dos amores sentidos
correspondidos
entregues
vividos
no êxtase
deste meu te querer amar..

Palavras minhas
aguardando as tuas
para que, em mudas palavras
nossos corpos, unos, declamem
o mais lindo poema
de
Amor!...

Palavra por palavra,
Lê,... ouve,... entende,...
são para ti, estas minhas palavras
de Amor...

20.01.07

www.simplesmentebeijaflor.com




5 - Palavras
(Carvalho Branco)


Palavras muitas trago aqui comigo,
Desde antes, no tempo da gestação...
Quando minha mãe era ainda abrigo
E conversava com meu coração...

Palavras... Pensamentos de criança
Presos... estrangulados na garganta...
Palavras construíram a esperança
De um futuro de vida, que se planta!

Palavras criam asas, vão ao vento,
Abrindo novos caminhos, estrada
Que enleva, abre a porta ao sentimento...
Murmúrio de um coração e mais nada...

E no rolar do meu dia, poeto...
Rabisco frases, escrevo poesia.
As palavras fluem do chão ao teto,
Dão vazão à mais pura fantasia.

Palavras que tudo dizem, nos falam
De um sonho, um belo sonho dourado...
Palavra é pura energia... magia
De som, verdade... sonho realizado!...

Ao término de nossas caminhadas,
Quando nos cobre a terra e a laje fria,
São palavras, em pedra desenhadas,
A última homenagem, alegria!...





6 - Com palavras
Eliane Ferreira de Cerqueira Lima


Palavras não vêm com o vento,
Saídas do pensamento,
Marcadas com qualquer cor.
Com som, com forma, com força,
Às vezes não há quem as torça,
Traduzam riso ou dor.
Mostram aquilo que não temem,
Se gritam ou apenas gemem,
Usando a voz do poeta.
Como envenenada seta,
Ferem a alma de quem ouve,
Ferem a alma de quem fala.
Mesmo em verso que não houve,
Palavras latejam mudas,
E embora até desnudas,
Ali estão como fogo,
Implorando como rogo,
Queimando a boca que cala.
Palavras não vão com o vento,
E em tempo longo ou lento,
Podem até rasgar feridas,
Trazer tristezas já idas,
Marcá-las com qualquer cor.




7 – Palavras de Amor
Margaret Pelicano


Palavras de amor, deixadas ao relento,
acalmaram meu tormento, suavizando a flor...
Janelas abertas ao vento, o bilhete caiu num repente,
extasiando meus olhos com o brilho da cor...

Era uma tinta rubra e brilhante, declarando sentimentos:
"- Você é linda, a razão de minha vida, meu raio de luar
Tenha lindos sonhos, aproximar-me-ei de ti, assim que acordar..."
Voltei aos sonhos, agora sem lamentos, a briga foi-se, voltei a navegar

nos braços do morfeu amado; jovens em seu calmo estado,
dormi sorrindo, as palavras e o sorriso ali bulindo...
...amanhã seria outro dia! Agüentaria as tempestades

lembrando-me da serenata, da minha melhor idade,
das rosas roubadas dos jardins da cidade,
e das palavras que alimentaram meus dias e não esqueço jamais!

Brasília - 20/01/2007




8 – Palavras
Eda Carneiro da Rocha


São elas as responsáveis por tudo.
Meras palavras, ditas de uma maneira,
onde a alma se desfaz.
Nada queremos falar e tudo falamos,
com os olhos, com o sentir, com a voz, com o toque,
com a saudade infinda
e duradoura de átomos perdidos no espaço.

Sofremos, choramos,
queremos o que nem sabemos.
Sentimento atroz, agonia perene,
recalcitrante, nos domina,
nesta hora em que a alma
se encontra consigo mesma!

Tem medo do que vê e sente!
É impotente para segurar
os sentimentos que afloram,
nela mesma.
E pergunta novamente:
" Onde andará meu amor?
O que é o meu amor?
Que faço aqui e não ali?"

E tudo se embaralha
nesta alma perdida,
na madrugada iniciada,
que ora finda.
Finda o sentimento mesclado
perdido e achado.

Divago, creio eu...
Divagando assim,
nesta noite sem fim,
encontrarei meu amor,
feito de energia sideral,
como nave espacial
que se encontrará comigo,
onde tudo será permitido,
e nada será cobrado.
Só feito e sentido!

E digo a esta alma errante
que não sofra mais,
por amor e de amor,
pois breve encontrará
o espaço, o abraço, o beijo,
as carícias e o orgasmo
desenfreado e repetido.

Divago e divagarei,
pois finalmente encontrei,
o meu amor feito poema,
feito canto universal,
onde repousarei minha cabeça
e finalmente dormirei!..

www.albumpoeticoeda.com.br




9 - A Palavra
Naidaterra


Todos somos escolhedores infinitos...
A todo momento em nossa vida, estamos
agindo no campo das possibilidades e
sujeitos a todo tipo de escolhas...
Seja qual for a situação, nossa mente
acelera provocando de imediato uma reação,
boa ou ruim é expressada através da palavra...
O som desta palavra vibra, se propaga e chega
a nós de formas diferentes, ou seja, ela
pode ferir ou nos deixar feliz...
A palavra é um beijo afetuoso e apaixonado,
mas também pode ser um tapa e uma desventura...
Tão importante é a palavra que ela pode
movimentar grandes exércitos formados por
soldados dignos ou assassinos...
A palavra depois de proferida, provoca uma
reação imediata, e às vezes, irreversível
diante de determinada situação...
Pensar bem, ter equilíbrio e ponderação é a
melhor maneira de se usar a palavra, seja lá
qual for a situação, assim, evitamos ataques,
injustiças e mágoas profundas...
Engana-se quem pensa que após o tapa,
um pedido de desculpas sana a dor,
pode até serenar, mas não faz
desaparecer a cicatriz...
A palavra sempre foi e sempre será,
uma vibração emocional...





10 - Suavidade
Lucia Trigueiro


Termo definido sensível
que expressa capacidade de exprimir
criando na frase fio de ouro
luminosidade intensa
grandeza que se designa partículas
pensamento sentimento
idéia fixa mito real Ser vivo
lembrando destino que uniu
horas que eternizam
coração que armazenou
pureza de expressão
promessa conjugal do amor imortal
fiel à tradição
amor a moda antiga
dando às palavras o significado
que se deseja.




11 - Palavras são palavras
Jorge Linhaça


Palavras são sempre palavras
podem ser jogadas ao vento
podem ser semente em lavras
podem ser de alegria ou tormento

Palavras são como passarinhos
a voar pelo infinito universo
a procura de encontrar um ninho
sejam elas em prosa ou em verso

Palavras são nada sozinhas
mas unidas fomentam idéias
precisam sempre de suas vizinhas
para atingir as suas platéias

Palavras criam ou destroem
são adagas os flores lançadas
são ferrugem que tudo corroem
ou bálsamo para nossas chagas

Palavras são palavras, somente
sementes de rosas ou espinhos
palavras são testemunhas silentes
de momentos de dor ou carinho

Ah, palavras, tão companheiras,
tanto poder emana de vós
podes ser alegria nas brincadeiras,
ou quiçá motivo da dor atroz.





12 - A Palavra
Carmo Vasconcelos


Seja escrita ou falada, seja rimada ou cantada
a palavra é milagrosa
tão milagrosa que a gente a manipula e a sente
como arma poderosa

Ela é desprezo e amor, estrume, pólen e flor
estrela, lama e chão
pacifismo, violência, pornografia, inocência
praga e também oração

É perfídia, honradez, abnegação, mesquinhez
raiva, beijo e ciúme
também é água da fonte, maré, abismo e ponte
degelo, paixão e lume

Por vezes é alimento, é sol, chuva, fermento
que sustenta e aduba
por outras é sofrimento, luxúria, vício, tormento
e açoite que derruba

Com ela o mundo se espanta por ser satânica e santa
bálsamo e droga infecta
guilhotina e perdão, liberdade e prisão
vómito de boca abjecta

Pode ser batalha ou trégua conforme a bitola e régua
do espelho da consciência
também é rosa e espinho, cardo, jasmim e carinho
escravidão, independência

Ela é freira, meretriz, pântano, pomar, raiz
pureza e poluição
é profana e sagrada, afago e chicotada
desavença e comunhão

Mas para mim é um fogo e um mar onde me afogo
eternidade e momento
êxtase, estupefacção, poema, contemplação
bailado do pensamento

E para todo o Poeta
a palavra é a dilecta, eterna amante fatal
e o Poeta quando parte só deixa como estandarte
a sua amante imortal!

Lisboa-Portugal




13 - Palavras
Tere Penhabe


Palavras... de ordem ou de súplica
na direita ou esquerda dos caminhos
que se espalham ao vento, ou dentro
no mais profundo do coração e alma.

Palavras são versos, rimados, ritmados
ou se descabelam em denúncias vazias
ferindo tão profundamente, insolentes
nem sempre verdadeiras, às vezes sorrateiras.

São tantas, infinitas as que ouvimos e cremos
outras que não concebemos, tristes demais
caluniadoras, profanas, cruéis...
que amputam nossos dedos e levam os anéis.

Podem ser pérolas e então valorizemo-las
não as vertendo inutilmente aos porcos
que levem uma mensagem, uma oração
algo que faça bem ao coração!

Palavras que eu disse... perdoe-me se precisar!
Palavras que silenciei... jamais serão demais!
Palavras que ouvi... nem sempre reais!
Poupa-me, Senhor, das palavras banais!

Santos, 23.01.2007_23:50 hs
www.amoremversoeprosa.com




14 – Palavras, Pedaços de Vida
Sueli do Espírito Santo


Palavras são pedaços de vida
vida que a gente nunca se olvida
palavras de coração para coração
sensíveis, verdadeiras e sinceras
são como uma fonte de quimeras
jorrando-nos uma doce sensação

Palavras escritas... derramadas
no amor suavemente declaradas
sem reticências e sem segredos
na alma estão todas impressas
lá na esperança das promessas
de vivermos livres dos medos




15 - Palavra Muda
Soni@ Pallone


"...Dói tanto saber
Que este silêncio tolo que se arrasta comigo
Cresce no dia a dia,
Me envolve, assombra e arrepia
Dança, embebeda e nem assim
me serve de consolo...

Dói-me saber
que esta palavra muda
Que escorrega tranqüila na garganta,
Provoca, fere e me espanta o interior...
Remexe, brinca e não resolve,
nada muda...

Dói-me saber enfim
Que amordaçada, a boca se reprime
E acorrentados,
os pés e mãos de gestos descontentes
Desistem da luta,
Adormecem,
E eu fico com a minha dor
sem saber de nada..."




16 - O Pecado das Palavras
Zena Maciel


O pecado das palavras
é morrer no céu do silêncio.
É atravessar a garganta
dos sonhos e ancorar
no porto da desilusão.
É exilar-se nas muralhas da dor,
para abafar o grito.
É dançar nos guetos
da solidão, por medo
dos requebros do amor.
É fechar-se nas pálpebras
dos segredos, para não
desvirginar a vida.
É perder-se nos
labirintos do tempo,
para enganar o pensamento.
É refugiar-se o útero da ilusão,
para não abrir as portas do coração.




17 – As Faces das Palavras
(Palavras Vãs)
Anna Peralva


São livres as palavras
mas, têm suas faces
e variados disfarces.
Laçam, desenlaçam
e até embaraçam.
Clamam pela Paz,
pregam justiça, igualdade,
porém a tudo isto desfaz
quando, usadas como farpas
alardeiam falsidades
que acenam, para a triste cena
da intriga e inimizades.
Sibilam em tons suaves,
como harpas,
escondendo a hipocrisia,
a desonestidade e a ironia.
Do mal vêm ungidas,
pungindo em dor a alegria.
Ardilosas, iludem, tramam,
desunem e são armas perigosas.
Atormentam e, da sua triste colheita
se alimentam,
tais como correntes ou argolas
que a algesia sufoca ou degola,
afastando a concórdia,
se vangloriando da discórdia.
Fazendo da consciência,
que um dia, haverá de pesar,
sua própria senzala
e, a palavra se torna escrava,
quando perdido seu sentido
e seu uso indevido.
Banais, embalam a vaidade,
do coração egoísta
em todo seu afã
de propagar a maldade.
Que pena!...
São apenas palavras vãs,
pequenas...

www.annaperalva.net




 18 - Palavras, que palavras?
Eugénio de Sá


Se é com uma palavra que dizemos sim
Outra palavra serve para dizer um não
E é todo um mundo que entra em negação
Numa contradição viva e ruim

Mas palavras são sons, leva-as o vento
Nem tudo o que expressamos é cumprido
E quantas palavras mesmo sem sentido
São importantes num sentido alento?

Palavras há contudo bem pesadas
Determinando formas de viver
Dando alegrias ou fazendo sofrer
Respondendo em afagos ou em bofetadas

E se a honra é marcada p´la palavra
Também é de palavras feita a ira
Quando tudo à nossa volta gira
Na raiva da traição, desesperada

Portugal
Outubro 2006





19 - Enredo
Sandra Ravanini


Óh veleidade, sentimento esculpindo essas ranhuras,
diz às minhas mãos por que sangram tantas rasuras,
na palavra que por vezes, joga a tinta em sustenidos,
e noutra hora, chega a ira e sou a mão dos excluídos?


Agonia que sufoca a garganta, diz a voz do libertário,
na escrita que desce e se despe em prol de um cenário,
enquanto a caligem trai o santo em enganosos motins,
incita a pena atriz, esse triste teorema que há em mim.


Antes fosse a lâmina mortífera a minh'alma rasgando,
antes dissesse da cor, mas raiou uma cor se acabando,
e no papel um vazio sustenta a folha indigna e branca,
de um poema que conta a lenda da ode outrora franca.


Poesia de minhas mãos, álgido cântico, ébria andança;
e quem entendeu que essa espada se chama esperança?
Verbo ad verbum, li o plágio e chorei a poesia lacerada,
sonhei a criança e o poeta, hoje, não sonho mais nada...

27/01/2006




20 - Palavra
Maria Mercedes Paiva


Palavra és restrita ao ser evoluído,
e explicas todas as ciências de
todas as eras!
És vívido ser!

Palavra és lavor, no próprio sentido
porque ao cultivo, germinas e geras.

És um ser que age na 'palavração'.
És muito loquaz ao 'palavreador'.
Tu és pequenina numa 'palavrinha'.
E, és ofensiva nalgum 'palavrão'.
És grande alvoroço, quando és 'palavrório'.
Desacreditada ao 'parlapatão'.
Para os políticos, és muita 'parlenga'...
que, no 'parlatório' d'algum parlamento,
te fazem vazia,
com suas 'parlendas' ao 'palavrear'.

És tão sonora, n'alguém que te fala,
porque tu és SOM!
E fazes sentido, naquilo que expressas
de acordo com o TOM!
Alguém que constrói com teus conteúdos,
procura o seu DOM.
Se fazes silêncio à alguém que medita,
então tu és OM.

Se tu és o 'X' de muitos problemas,
também és o 'N' infinito de vezes.
Enfim, se és ALFA de muitos dilemas,
também tu és ÔMEGA, em teu próprio fim.




21 – Palavras-Sementes:
Vitamina para os pequeninos
(sem contra-indicações)
Grace Spiller


Doces sentires, pensares profundos...
Em prosa ou verso, podem ser pontes:
Alquimia no mundo!

E o que queremos podemos fazer,
Se tivermos consciência e atenção...
Unidos: PALAVRAS e EXEMPLOS -
Eis a chave da TRANSFORMAÇÃO!

E para que tenha consistência,
Para que tenha validade,
Devemos usá-la na primeira infância,
Na criança, em tenra idade!

PALAVRAS de FÉ e de PAZ,
de JUSTIÇA e AMIZADE:
São valores que jamais se perdem,
Pois seguem pela eternidade!

Valorizar os IDEAIS,
Reforçar a ESPERANÇA,
COMPREENDER e RESPEITAR...
Só assim, se educa criança!

ACEITAR os filhos como são –
Com as diferenças e as semelhanças,
Pois ser comparada a outra,
Só prejudica a criança!

E se o mundo em seu caos
É um feio panorama,
Procuremos AJUDAR,
Sem criar mais nenhum drama!

Apontar culpados pode ser válido,
Mas não traz soluções,
Pois esse estado de coisas vem de longe,
De antigas gerações!

Portanto, um dos grandes remédios
Para curar esse “mundo” doente,
É cuidar bem de nossas crianças
Incutindo-lhes, apenas, BOAS SEMENTES!

Vigiar PALAVRAS e PENSAMENTOS,
Cada GESTO, cada AÇÃO,
Pois TUDO é ESCOLHA NOSSA...
Compreendamos isso ou não!

Sabemos que a tarefa não é fácil
De ensinar alguém a voar com as próprias asas,
Mas podemos ter plena certeza:
O maior EXEMPLO está dentro de NOSSAS casas!

http://www.gracespiller.com




22 - As palavras
Anna Müller


Palavra dura...
afiada feito navalha,
palavra sangrenta,
mancha de dor...
A falsidade em cada letra,
a palavra do poder, da cifra,
da injúria, a palavra maldita.
A irônica... na ponta da língua;
o descaso... a intenção disfarçada,
a inveja disfarçada,
a prepotência disfarçada,
o descaso, a aturação, a enganação...
Tudo em palavras...
Palavras são apenas palavras...
Que... palavras não doem.
A palavra fere, chora, magoa,
insulta, a palavra desculpa.
Que desculpa outras palavras.
Onde? Onde estão as palavras
dividir, carinho, compreensão,
sinceridade, amizade, harmonia, paz,
Amor... São poucas...
e as menos pronunciadas,
as menos sentidas,
as menos exercidas,
quando muito... engolidas.
No nó que aperta a garganta...
Nas lágrimas a encharcar o rosto,
no medo de serem mal entendidas.
Palavras são apenas palavras.
Nada mais que palavras.




23 – Palavras
Sandra Lúcia Ceccon Perazzo


Palavras...
Sejam elas escritas ou faladas
caso perdessem o valor
o que seria do nome da flor,
como chamariam as cores?
De tanta importância que têm
não podem ser alteradas
muito menos mutiladas
pois, de nós, quem seria quem?
Disciplinadas, ordenadas em filas
devemos dominá-las para que não saiam
no impulso, na ansiedade, na raiva ou na dor
mas sim, sempre com muito amor
Pudera o homem vestisse palavras
por entre consoantes e vogais
dedilhasse ou falasse
fraseando sonhos reais
com sentenças de harmonia e de paz
Quem dera o homem com as palavras
não brincasse com as letras
mas brilhasse no oceano do alfabeto
E que pudesse,
sem contradição, por entre fonemas
com a grandeza da humildade
com a ternura da simplicidade
com o encanto da meiguice
dizer e escrever
apenas verdade
com muita bondade...

27/01/2007




24 - Palavras
Isadora


Rebuscar palavras pra dizer verdades
É enfeitar mentiras com cuidado.
Por isso um poeta desastrado
Deve evitar banais habilidades...

Jamais se diz palavras sem pensar
Porque depois de dita não retorna à boca
Seja ela qual for:ajuizada ou louca
É mesmo que uma espada a penetrar...

Nas palavras tristes que o poeta fala,
Há uma verdade enorme que a saudade embala;
Há um misto de dor e de satisfação!

Mas nas palavras que ficaram quietas
É que se perdem as rimas do poeta;
É que se ferem a fogo um coração.




25 - Manhãs (quando nasce o perdão)
Tonho França


Moinhos de vento abraçam
A aurora nua de pretensões...
Girando gotículas de sonhos
Recriando a vida, no silêncio
Dourado do dia –
Tudo ao alvorecer é som, silêncio
Alma da poesia em difusão
Momento de azul-perdão
rápido e íntimo reencontro
inspiração é transparência da grafia
é pulsação do Universo que irradia
a Palavra, pois a Palavra é vida,
eterna, harmônica, afinação -
Palavra Verbo.
Deus, homem – Comunhão.




26 - Palavras
Ana Maria Brasiliense


Palavras ditas...
escritas
benditas
malditas
lidas
cantadas
encantadas
Palavras que vão e que ficam.
de amor
de paixão
de felicidade
de dor
de ódio
de perdão
de amizade e compreensão
Palavras em vão?
Palavras não são somente palavras
Palavras não vão.
Não importa como são ditas ou escritas
lidas ou ouvidas.
Palavras são sempre palavras.
se jogadas aos ventos,
se ditas com amor, paixão...
com ódio ou perdão.
Palavras são muito importantes...
Elas não vão, elas ficam,
antes de serem ditas ou escritas,
elas são sentidas.
Brotam no coração.

Stos/SP/Brasil




27 – Tu Palabra
Alberto Peyrano


Con el sabor de un dardo en mi garganta
tu palabra se multiplica por mis venas,
salta mis murallas trasnochadas,
me arrasa cual tormenta de verano,
se solaza mirando calendarios
donde mis ojos se abrieron al amor.
Se abre en flor y luz la tarde plena,
paso a paso la niebla dejo atrás.
Aunque sea un fantasma aniquilado
que pena sin descanso y sin castillo,
me alimenta el verbo de tus flores
me da vida la intención de tu verdad.
Y así deambulo, calle, ocaso, tango, azul,
sentimientos perdidos al acaso...
¡Cien mil noches tiradas al esplín!
¿Será verdad que retornamos al camino
que alguna vez nos vio triste partir?
Tu palabra, mi tango, es una Biblia
sabe siempre acercarme la verdad,
por eso te sostengo en mi garganta,
por eso con tu amor pienso morir.


Buenos Aires, 28/1/07
http://www.albertopeyrano.com.ar/




28 – Portais do Infinito
Cristina Pilan Oliveira


Asas de sonhos, portais do infinito
num rodopiar de sentimentos
eternizam momentos
letras encantadas, chegam a perturbar
Luz, cor, miragens
recriam na mente deliciosas imagens
Escritores, semi-deuses
num lampejo fecundo
recriam um mundo...


 

29 - Palavras
Marise Ribeiro


As palavras camufladas,
Aquelas que vêm com máscaras,
São tênues, não têm força,
Diluem-se como tinta aguada
Escorrida pela falsa face...
As palavras caluniosas
Não vingam, morrem prematuramente,
Ou despencam como fruto podre
Da boca maligna que as enraizou...
As palavras doces e sinceras
Desabrocham em nuanças de primaveras:
O tempo da colheita chegou!

 

 


(a revisão dos textos é da responsabilidade de cada autor)

 

 
 
 
 
 

      Anterior   

     Próxima
 

Home

Índice



 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI



 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
 Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio de 2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página Inserida em 07/02/07

Crédito
Midi Ricard Clayderman - Couleur Tendresse