Manhã
Cruz e Souza

 

Alta alvorada. — Os últimos nevoeiros
A luz que nasce suavemente espalha,
Move-se o bosque, a selva que farfalha
Cheia da vida dos clarões primeiros.

Da passarada os vôos condoreiros,
Os cantos e o ar que as árvores ramalha
Lembram combate, estrídula batalha
De elementos contrários e altaneiros.

Vozes, trinados, vibrações, rumores
Crescem, vão se fundindo nos esplendores
Da luz que jorra de invisível taça.

E como um rei num galeão do oriente
O sol põe-se a tocar bizarramente
Fanfarras marciais, trompas de caça.

 

21 de janeiro de 1889



 

Ciranda "Manhãs"

Poetas Participantes

 

  1 – Marise Ribeiro
  2 – Jorge Humberto
  3 – Eugénio de Sá
  4 – Líria Porto
  5 - Tonho França
  6 – Humberto Rodrigues Neto
  7 – Ceres Marylise
  8 – Gilia Gerling
  9 – Gui Oliva
10 – Tere Penhabe
11 – Nany Schneider
12 – Maria Antonia Canavezi Scarpa
13 – Nídia Vargas Potsch

14 – Zena Maciel
15 – Eliane F.C. Lima
16 – Thais S. Francisco
17 – Eda Carneiro da Rocha
18 – Ligi@ Tomarchio
19 – Naidaterra
20 – Sandra Lúcia Ceccon Perazzo
21 – Anna Peralva
22 – Sueli do Espírito Santo
23 – Ana Maria Brasiliense
24 – Maria Mercedes Paiva
25 – Soni@ Pallone

 


 

1 – Manhãs
Marise Ribeiro



O sol puxa o véu da bruma delicadamente
Expõe a nudez da natureza ainda orvalhada
Vestígio do coito sob uma noite enluarada
Entre os elementos desejosos e silentes.

O viço floral é a pele da mulher amada
Os tons matinais, a veste que a vem cobrir
A brisa fresca, o aroma que irá se espargir
Nesse cenário de satisfação plena e declarada.

Sussurros aos ouvidos enamorados do alvorecer
Despertam a sinfonia de pássaros e aves
E nessa alcova natural ainda resta aparecer
O balé das borboletas em lascívias suaves.

São flagrantes de puro êxtase que presencio
Nas manhãs em que a inspiração me acaricia...
Encontros de amor que no âmago silencio
Para engravidar a folha ainda virgem... de poesia.

04/08/07




2 – Brancas Manhãs
Jorge Humberto


Nas árvores as manhãs,
Na luz o sabor,
Das largas maçãs,
Grávidas de cor...

Das brancas manhãs,
Com sons à disputa,
Janelas e romãs,
Num cesto de fruta.




3 – Pela manhã, menina
Eugénio de Sá



Quando na rósea aurora soalheira
Te vejo debutar p’la encosta
Pisando a grama fina e rasteira
Põe-se-me o coração em tal canseira
Num arrebol de encantos em resposta

E esfuziante então digo p’ra mim
Que seria o meu dia sem te ver
Pois não sei já viver sem ver-te assim
Trazeres-me no olhar de querubim
Esta estasia de tanto te querer

Sigo os teus passos leves na campina
As ancas que saltitam quando andas
Nesse corpito doce de menina
Todo o meu equilíbrio desatina
Fica a cabeça tonta e em bolandas





4 – malha
líria porto



olha a lua renda branca
meia lua transparente
adolescente

é de manhã

sol suave em sua nave
lambe as beiras da cidade
o horizonte

é de manhã

bem-te-vi canta bonito
saúda o céu infinito
azul esplêndido

é de manhã

andorinha rasga o espaço
leva a nuvem no regaço
por um instante

é de manhã

http://liriaporto.blogspot.com/


 

5 – Manhãs...
(Poema dedicado à Poeta e amiga Marise Ribeiro)
Tonho França



Na retina azul do horizonte, o mar descansa possibilidades
as primeiras luzes dançam nuas sobre o canteiro de rosas
nuances de cores e aromas acordando os sinos e os sonhos
(há tantas formas de amanhecer)
sei das horas e das tarefas que esperam, sei dos que não mais esperam
sei dos que não vão ver, dos que não vão perceber o perfume das rosas
daqueles que já foi tirada a capacidade de sonhar
ainda assim,
na retina azul do horizonte, o mar descansa possibilidades
todas as possibilidades
de recomeçar
de renascer
nascer
ser
a primeira luz que dança nua sobre o canteiro de rosas
agradecer ao universo, o verso, a mente sã
e renascer
nascer
ser
Manhã...




6 – Que manhã!
(Humberto – Poeta)



Quando esta manhã surgiu,
o céu que pra mim sorriu,
deixou-me feliz demais!
E entre irradiações divinas
o sol abriu as cortinas
dos abismos siderais!

Cada flor fica mais bela,
debruçada na janela,
sorrindo alegre pra mim!
Então a memória abordo,
mas não lembro, nem recordo
de manhã tão linda assim!

Por mais que a pensar me afoite...
Espera.... foi ontem à noite...
foi isso... e só agora vejo!
Apertei meu rosto ao dela
e provei dos lábios dela
o mel do primeiro beijo!




7 – Manhã
Ceres Marylise



Nas águas de um poço aberto
a lua ainda me pinta com seus raios...
no horizonte surge a aurora:
nele, busco risos e os encontro
em imprecisos silêncios.

Com o saber das montanhas,
ouço palavras que nunca se calam
e me abro à vida para recebê-la
mais um dia... quero ganhá-la,
quero senti-la, quero vivê-la.

A manhã bebe o meu olhar inteiro,
refletindo o que estou sentindo,
e se abre plena, me rodeia:
- lição de ressurreição
e regresso para a vida!





8 – Manhãs em Prece
Gilia Gerling



Momentos mágicos, as manhãs.
Mágicas manhãs, quando momentos.
Momentos de mágicas às manhãs.

Tudo é possível, plausível, fictício e real.

Importa é amanhecer dentro do dentro de nós.
Amanhecer para os olhos no espelho.
Importa é amanhecer a cada minuto.
Fazer das manhãs eternas primaveras, em pleno inverno.
Amar as manhãs como se ama a chegada de um grande amor.
Anoitecer as manhãs com as mais belas estrelas visíveis.
Amanhecer as noites com o sol quando aquece feito ternura.

Amanhecer amanhã?
- Nunca!
Amanhecer hoje,
agora e sempre,
Amém!


08 de agosto de 2007
01:50 h
http://www.blogilia.blogspot.com/





9 – Nova Manhã
Gui Oliva



Extinguiu-se e com ele a vida em triste adeus,
esse dia atravessou o tempo, apressado, sem parada,
impôs os seus castigos para os sonhos meus,
por capricho fez assim, como quem não quer nada.

A noite chegou e lançou, sem querer, suas espadas,
seus pecados sombreados pelo breu da solidão,
as estrelas foram então os guias na fria madrugada,
abrigada por uma lua azulada dando cor à escuridão.

De repente, depois de tanto tempo insone,
dentro de mim como um novo amanhecer,
o ciclone de uma aurora que não foi vilã.

Não... alçou-me gelada com seus raios mornos,
e ao despertar-me com um sol de mais querer,
banhou-me com toda claridade de nova manhã.

Santos/SP Manhã de 06/08/07
 



10 – Todas as manhãs
Tere Penhabe



Manhãs de primavera...
Que abrigam os passarinhos, o lépido burburinho;
as abelhas também, sugando o néctar das flores
fazem manhãs de mil encantos, manhãs de mil amores!

Manhãs de verão...
Abraçam nas alvoradas, o morro e as esplanadas;
no mar, o sol chega perto, enciumado, quem sabe
talvez só por querer mais, essa beleza afagar!

Manhãs de outono...
Das folhas secas ao vento, cor amarelo dourado
lembra sonho naufragado, ou sonho que vai chegar
como tudo que renasce, e que tem frutos a dar!

Manhãs de inverno...
Onde eu deito o meu pesar, talvez para descansar
talvez apenas fugir, de tanta ausência de amar.
Mas em todas as manhãs, em ti estou a pensar!...

Santos, 10.08.2007
www.amoremversoeprosa.com





11 – Nossa Manhã
Nany Schneider



Densa noite fazia-se presente
Por anos de acompanhada solidão.
Vislumbre de auroras fez-se então,
Em surpresas trazidas ternamente.

Os sonhos em lágrimas acalentados,
Realidade acarinhada tornou-se enfim.
Sua presença tomou forma em mim,
O toque esperado acalentou lábios amados.

A escuridão deu lugar ao sol dos amantes,
Estrelas deixaram-se à vista enternecer.
Pássaros embalaram nosso tardio adormecer.
A manhã toda nossa, surgiu em rompantes.

E da manhã se fez sono sonhado.
Desta manhã que não mais sumirá.
Cada segundo na lembrança, estará.
O amanhecer terno no corpo amado.

01:59 h - 11/08/2007
Curitiba - Paraná
www.bettyboopstar.com.br


 

12 – Todas as manhãs
Maria Antônia Canavezi Scarpa



Todas as manhãs levanto ardente,
porque elas não são iguais,
existem sempre, muitas diferenças;
há em cada romper da aurora, uma doce esperança
de que ela debruce sobre mim com doçura,
desde o êxtase até o nirvana,
que venham irromper meu âmago com ímpetos
moldando em mim essa volúpia imperiosa
que alguém deixou em mim dormente,
quieta absorvendo meus instintos fugazes

Não posso imaginar a indiferença,
que ficaram nas minhas lembranças,
veloz moldo o meu estado de alerta,
minha adrenalina salpica de endorfinas
a quietude que tenho dentro de mim,
ávidas em libertar os arroubos que travam
os meus instintos e a minha razão,
fazendo-os se perderem no êxtase
que geram uma confusa metamorfose de desejos

Quando o dia acontece
tudo dentro de mim vem com anseios, de novas formas,
travo brigas constantes com o meu interior
que não quer se aquietar e explode sempre,
por novas utopias, novos sentimentos,
novos desejos, há sempre um devaneio
por um sentir diferente, que fervilhe o sangue
quase correndo morno pelas minhas veias,
sempre fico temendo que se congelem
de um momento para o outro

Talvez sejam essas mutações
que fazem de mim um ser ativamente volúvel,
sempre burlando os sonhos,
que teimam em não serem perfeitos,
Daí refazer passo a passo suas trajetórias
dando-lhes o início que eu quero
e o fim que almejo
para poder a cada manhã me revitalizar
até que tudo novamente aconteça,
e o amanhã traga uma nova manhã




1
3 – Manhãs!
Nídia Vargas Potsch



Manhãs!
Onde o azul do céu se apresenta claro e seco,
iluminado pelo Astro Rei,
salpicado de nuvens brancas aqui e ali ...

Manhãs!
Um despertar aconchegante, dourado,
que o faz levantar disposto
ir à luta e seguir adiante ...

Manhãs!
Onde o canto dos pássaros acorda
lembranças e saudades da infância
e o cheirinho de café e pão torrado
vindos da cozinha ...

Manhãs!
Onde tudo que se quer é começar outra vez.
Respirar ar puro profundamente.
Fazer planos.
Orar para agradecer mais um dia.
Perceber que por mais que doam as tristezas
que nos envolvem ou nos apoquentam,
sempre haverão outras ...
manhãs ...

@Mensageir@
Rio, 10/08/2007




14 – O Encanto das Manhãs
Zena Maciel



Clara manhã
Dia perfumado
Coração em festa
Alma florida
Sonhos em ziguezagues
Sorriso solto...
Na boca do alvorecer,
bebo o frescor do dia
Reverencio o sol
Abraço a alegria...
De braços com a poesia,
viajo pelo azul do céu
Conto estrelas a granel
Brinco com os mistérios do amanhã
Solto as amarras do infinito tempo
Curvo-me diante do magnânimo templo do hoje e canto
Sinto-me criança outra vez
Visto-me de ilusões
Cirando com as fantasias
Faço as pazes da vida
Grito para o mundo:
Adeus destino vagabundo
EU AGORA SOU FELIZ!
Eu mereço ser feliz.


Recife 12/08/2007




15 – Manhãs
Eliane F.C. Lima



Chega a manhã: futuro com presente,
Fim de noite, de vigília ou de amor;
Desgosto ou esperança, alívio ou dor;
Viva luz de um momento que não mente.

É a manhã: fecha-se a porta do oculto?
Bom ou mau, um grande olho sem indulto
Surge na cara afoita do que é dia:
Vê-se o palpável que ainda não se via.

Na manhã, medo noturno olha em volta?
Na manhã, a face oposta do prazer?
O imprevisto da manhã anda à solta.

Como ao futuro, planos não fazer:
Não é manhã o lar certo da quietude,
A incerteza é sua maior virtude.




16 – Minhas Manhãs, Sem Ti...
Thais S Francisco



A luz do abajur pouco a pouco enfraquece.
Cede lugar ao brilho de um novo dia que já acontece
nesta manhã que se espreguiça na aurora
de um novo amanhecer...

Noite de insônia, cama vazia...
Estou aqui, em meio a folhas rabiscadas,
amassadas, caídas pelo chão, denunciando a ânsia
de encontrar a rima certa, para poetar
esta saudade que tua ausência me traz...

A cada manhã, chegada nesta minha sozinhez,
misturam-se as gotas do sereno
com lágrimas brotadas em meu olhar
que chora a saudade tua
de me aconchegar nos braços de teus abraços!...

Não te demores
quero em teu peito me abrigar,
minha pele arrepiar, e, depois do amor vivido,
na poesia de rimas em suspiros,
no calor de teu abraço,
adormecer meu corpo lasso!...

Não te demores...
Uma nova manhã já se anuncia!...

Thais S Francisco
"beija_flor”
14.08.07
www.simplesmentebeijaflor.com




17 – Minhas Manhãs
Eda Carneiro da Rocha



Queira Deus que eu as tenha
todos os dias, coroadas de amor!...
Com este sol que desponta,
com este beija-flor que chilreia,
com estas Borboletas
que volitam, em torno de sua flor!

Neste Jardim Mágico, encantado,
onde respiro só amor!...
Com a beleza de meus dias,
em que fico aqui quietinha,
só pensando em ti!

Desejo a tua volta, numa manhã,
em que chegas contente e me despertas,
com este inesquecível olhar,
com que olhas minh'alma
que contrita chora a Felicidade
de tua volta!


Ah! Queira Deus não tardes muito...
Que possamos ver toda esta beleza
impregnada de realeza,
onde ergui meu altar,
para te amar com este cálido sol
que me beija, me fala, e me diz:
"Ela vai Chegar"!...

Eda Carneiro da Rocha
"Poeta Amor"
www.albumpoeticoeda.com.br




18 – Manhãs
Ligi@Tomarchio®



Sonho manhãs a iluminar
pobre corpo adormecido
coração notívago
alma insone a clamar
calor e pássaros a voar.

Bebo manhãs alheias
nas entrelinhas e caminhos
feito sertanejo na estiagem
sedento de amor e poesia.

Colho manhãs em flores
coloridos beija-flores rosados
vida pulsa terra úmida
lamentos vívidos ecoam lentos.

Busco minhas raízes amanhecidas
mortas invisíveis paredes insólitas
varanda da memória ensolarada
eterna caminhada insana.

Alimento manhãs maternas
ternura desaparece na floresta
sinistra sina a perseguir
onde apenas encontro noite e fome.

Ligi@Tomarchio®
SP/16/08/2007
www.ligia.tomarchio.nom.br





19 – Manhãs Perfumadas
Naidaterra



A noite se mostra com mil encantos: céu negro bordado
de pontos prateados e a lua desfila as suas formas...
Enamorada pela beleza da natureza, aguardo ansiosa
pela chegada do amanhecer, minhas manhãs perfumadas...
O sol deixa tudo iluminado aquecendo com ternura as flores
e as folhagens orvalhadas secam exalando um perfume suave...
Sem devaneio, consigo exteriorizar em verso ou prosa,
toda a alegria que agita o meu corpo...
Manhãs perfumadas, amiga que habita a minha mente,
sempre me leva adiante, minha única acompanhante
e minha doce confidente....

Naidaterra
agosto/2007





20 – Manhãs
Sandra Lúcia Ceccon Perazzo



Ao despertar em cada manhã,
sente em tua graça colorida,
os raios de sol que aquecem a vida!

No céu que brilha, na estrela que pisca,
na ave que voa, na flor que perfuma,
encontra em tudo... um pouco de ti em pluma,
adornando o conjunto da criação lírica...

Sente no fresco da brisa
o beijo quente da lua, que se põe a deitar,
depois de tanto amar e iluminar...

Em cada amanhecer planta a confiança
com o grão do amor, da alegria, do humor,
para vestires de manhãs o solo da esperança.

Estende os braços para a paz com entusiasmo,
abre a tua mente para o crescimento, para a mudança...
Abre o teu coração para o Universo integrado,
criando um elo em aliança.

Percebe-te a cada manhã parte da natureza,
relaciona-te com o céu lá no alto de tua cabeça,
e com a terra sob os teus pés, como um todo, em total leveza,
limpa a tua alma com a sabedoria da franqueza...

E é assim que criarás em tua manhã consciente
o país do amor sem desalento, sem fronteira,
saudando o dia que se faz presente,
reverenciando a oferenda do sol da vida ventaneira!

Sê... a cada manhã,
beleza, paz, amor e esperança
na luz que clareia e irmana,
com a harmonia da alma humana...

Sandra Lúcia Ceccon Perazzo
(Sperazzo)
16/08/2007





21 – Manhãs...
Anna Peralva



Vaguei por horas aflitas e insones
Castigando a alma por vielas silenciosas,
No corpo roto-morto, a solidão tudo consome
Absorvendo da pele a seiva-energia viçosa.

Acordei com a esperança não prescrita
Na nudez do olhar disperso, sempre cansado...
Lá fora a vida aflora, corre, dança e se agita
Aqui, amor em tempo cativo do passado.

No fluxo-refluxo dos inquietos anseios-afãs
Lamentam em soluços sentimentos e saudades
Apartando auroras luzidias de amanhãs.

Enfim, no refúgio do beijo de noites sãs,
O aceitar do gosto salgado da realidade
Nas castas mentiras sinceras das manhãs...

06/08/2007




22 – Manhãs
Sueli do Espírito Santo



Manhãs... o doce canto das aves
a brisa com murmúrios suaves
que belos sons do amanhecer
ecoando-se nos meus ouvidos
despertando os meus sentidos
até meu coração se enternecer

Manhãs... a luz do sol se irradia
todas as flores dão um bom-dia
e a nova aurora toda comovida
aos poucos chega suavemente
acordando-nos tão ternamente
para brindar mais um dia de vida




23 – Manhãs
Ana Maria Brasiliense



Quero nas manhãs de meu despertar,
renascer todos os dias...
Que eu possa ser uma nova mulher
em cada amanhecer...
Saber amar além do que já sei.
Perdoar quanto sou perdoada.
Que eu possa ter paciência
não apenas com os outros
mas comigo também...
Que eu tenha sempre
olhos de ver...
Ouvidos de escutar
Palavras para ajudar.
Braços de abraçar.
Colo para acalentar.
Um coração para todos abrigar.
Que eu possa ser sempre
somente amor !

Santos 18/08/007
20:38 h




24 – Manhã
Maria Mercedes Paiva



Nem é preciso levantar os olhos
para ver
naquele plano elevado,
o pé de romã,
onde o pássaro fez seu ninho...

Quando o sol vem
inaugurar a manhã,
resplende os seus arpejos
tão macios!.. tão macios!...
entre as folhas da romã,
por dentro daquele ninho!...

Os passarinhos
saem todos em revoada,
saudando a madrugada
com seus cantos e solfejos

E eu beijo a boca da manhã
na brisa de hortelã
soprando pianinho... pianinho...
E o sol, saiu daquele ninho
entre as ramadas miúdas,
inda molhadas,
daquele pé de romã!...

Eme Paiva
19.08.07



 

25 - Celebrando
Soni@ Pallone



"...Celebro o necessário que tenho
e que se não for tudo, é tudo que preciso e amo...
Celebro meus olhos que vêem a perfeição
Celebro minha boca que fala e me alimenta
Celebro meus ouvidos que ouvem os sons da natureza
Celebro meu corpo perfeito, altar daquilo
que faço de mim...
Celebro a família que me foi dada
e a quem amo intensamente
Celebro o eu que me acompanha
e o espírito que rege a minha vida

Celebro Deus...

...Que me ama do jeito que sou
...Que perdoa os meus pecados
...Que responde às minhas perguntas
...Que dissolve as minhas dúvidas
...Que me mostra os caminhos
...Que atende as minhas preces
...Que entende as minhas fraquezas
...Que enxuga as minhas lágrimas
E que nunca me deixa só..."




 

(a revisão dos textos é da responsabilidade de cada autor)

 

 
 
 
 
 

      Anterior   

     Próxima
 

Home

Índice



 
 

Para receber nosso
Boletim de Atualizações
cadastre seu e-mail

AQUI

Gostaria de traduzir
esta página?
Então clique

AQUI



 

 

  Site Editado em Maio de 2006
 Copyright
© 2006 - Marise Ribeiro
 Todos os direitos reservados.
 Proibida a cópia total ou parcial deste site.
 
 
 Quando não constar qualquer observação
 sobre a autoria das imagens usadas neste site,
 considere que foram capturadas na Internet
ou em grupos de trocas virtuais,
 sendo portanto de uso sem restrições.
 
 Visualização Padrão 1600x900

Webdesigner Drica Del Nero até Maio de 2011

Webdesigner Marise Ribeiro

Página Inserida em 29/08/07

Crédito
Midi André Rieu - Nightgale Serenade